Notícias

Por: Adilson de Paula Almeida Aguiar (Scot Consultoria) | 03/01/2018

O primeiro passo para prevenir a degradação da sua pastagem

Escolher a forrageira certa para o seu tipo de solo e região é o ponto inicial. Ao decidir, procure especialistas.

O processo de degradação da pastagem pode ser revertido através da adoção de práticas preventivas, culturais e de recuperação. O ditado popular “prevenir é melhor que remediar” se aplica neste contexto – ou seja, as práticas preventivas seriam as de maior impacto positivo e entre muitas destas, a escolha da espécie forrageira é o primeiro passo.

Antes de relacionar e abordar os critérios para tal escolha da espécie forrageira seria interessante resumir como se tem escolhido espécies forrageiras ao longo dos últimos quase dois séculos desde a introdução das primeiras forrageiras no Brasil provenientes do continente Africano.

Os pecuaristas têm buscado uma forrageira com as seguintes características: que produza grandes quantidades de sementes de alto valor de germinação e que possam ser semeadas sobre cinzas, tocos e troncos, em terrenos não preparados ou com preparo mínimo, usando apenas uma gradagem, e mesmo assim a pastagem estabelecer-se rapidamente e com vigor; que produza grande quantidade de massa de forragem por hectare para suportar altas taxas de lotação; que produza forragem de alto valor nutritivo garantindo alto desempenho por animal; que seja de alta aceitação por todas as espécies de animais herbívoros e que não cause intoxicações nos mesmos; que tolere à seca, à geada, ao fogo; que tolere solos mal drenados e de baixa fertilidade; que seja resistente aos insetos pragas e às doenças e que seja agressiva para competir com as plantas invasoras.

Na busca incessante por uma planta com aquelas características muitas forrageiras já foram eleitas como “o capim da moda”. Esteve no auge o capim-jaraguá que entre 1945 a 1947 engordava mais de 90% de todo o gado abatido nos frigoríficos do Estado de São Paulo enquanto em 1979 apenas 6% dos animais abatidos eram provenientes de pastagens daquela forrageira.

Depois fora sucedido pelo capim-colonião que no final da década de 70 cobria 32% das áreas de pastagens no Estado de São Paulo. Em 1978 esta espécie era a mais cultivada no Sudeste, no extremo sul da Bahia e nos agrestes de Sergipe. Na década de oitenta foi documentado como sendo a espécie forrageira mais importante no Espírito Santo e no sul de Goiás. Em um levantamento feito no Pará, no final da década de setenta, em cinco municípios, o capim-colonião ocupava mais de 46% da área de pastagem. 

A partir da década de 60 este capim foi sendo substituído pelo capim-pangola, principalmente no Estado de São Paulo; seguido pelo apogeu da Braquiária decumbens, nas décadas de 70 e 80 e a partir da década de 80 até os dias de hoje o capim-braquiarão tem sido o predileto, ocupando atualmente aproximadamente 50% da área de pastagem cultivada. Só para se ter uma idéia, no inicio da década de noventa, o gênero Brachiaria já ocupava 50% da área de pastagens no estado de São Paulo.

Aquelas forrageiras, naquelas respectivas épocas, ganharam a atenção de produtores e técnicos, entretanto o período de apogeu de cada uma durou não mais que duas décadas, e nova forrageira foi sendo eleita como o “capim da moda”. Este histórico foi denominado pelos pesquisadores da área de forragicultura como sendo “a busca pelo capim milagroso”.

Os trabalhos de pesquisa e os fatos demonstram que esta planta não existe e que o sucesso no estabelecimento, condução e persistência de uma pastagem depende basicamente da mudança de atitude por parte dos produtores e técnicos, assumindo que cada espécie forrageira tem suas potencialidades e as suas limitações e que a pastagem é também uma cultura com suas exigências especificas quanto aos fatores de crescimento.

Por isso é de extrema importância o esclarecimento de produtores e técnicos sobre os critérios para a escolha de uma espécie forrageira, critérios estes baseados cientificamente e validados tecnicamente em campo.


Leia o texto na íntegra na fonte: Scot Consultoria (Clique aqui)